Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2010

Pnuma defende papel do Ipcc no debate sobre mudanças climáticas

 

Real BaixarImprimirCompartilhar

Diretor executivo da agência da ONU diz que relatório de 2007 do Painel Intergovernamental Sobre Mudanças Climáticas apresenta a melhor análise disponível, apesar do erro de digitação na declaração do derretimento glacial do Himalaia.

Foto: Unep

Foto: Unep

Daniela Traldi, da Rádio ONU em Nova York.

O diretor executivo do Programa nas Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma, Achim Steiner, defendeu nesta sexta-feira o papel desempenhado pelo Painel Intergovernamental Sobre Mudanças Climáticas, Ipcc, na avaliação das alterações do clima no mundo.

Em artigo publicado no site do Pnuma, Steiner cita representantes de mídia e céticos que estariam analisando cada detalhe do Ipcc nas últimas semanas devido a um erro de taxa exagerada sobre o desaparecimento das geleiras do Himalaia.

Brincadeira

Ele ressaltou que alguns estariam inclusive tratando as alterações climáticas como um brincadeira comparada ao chamado 'bug do milênio', na virada do século.

Segundo Achim Steiner o resultado seria confusão pública sobre o questionamento do Ipcc e seu presidente, com proporções parecidas a uma caça às bruxas.

Ele disse que agora é hora para checar a realidade. O diretor executivo do Pnuma afirmou que está certo apontar erros e fazer correções, mas pediu para o mundo colocar de lado o mito de que a ciência da mudança climática é um rombo e está se afundando rapidamente em um mar de mentiras.

Mentes Científicas

Achim Steiner lembrou que, em 22 anos, o Ipcc elaborou estudo baseado nas melhores mentes científicas, especialistas indicados por governos, para avaliar a evolução dos acontecimentos ambientais e seu impacto sobre economias e sociedades.

Steiner enfatizou que o relatório de 2007 do órgão apresenta a melhor avaliação de risco disponível, apesar do erro de digitação na declaração do derretimento glacial do Himalaia. Ele avaliou que o consenso alcançado foi muito alto, com 90% de chance de estar correto.

O diretor executivo do Pnuma ressaltou que o Ipcc pode ter falhas mas continua sendo o melhor e mais sólido fundamento que existe para uma comunidade de mais de 190 nações para as futuras escolhas globais.

publicado por ecotv às 16:54

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 10 de Novembro de 2009

Banco Mundial lança '100 Ideias para Salvar o Planeta'

 

Real Baixar Imprimir Compartilhar

Cem projetos de 47 países com propostas de combate às alterações climáticas já foram escolhidos para a fase final; vencedores serão premiados com US$ 200 mil.  

Foto: Pnuma

Foto: Pnuma

Daniela Traldi, da Rádio ONU em Nova York.

'Cem ideias para salvar o planeta'. Esse é o nome de uma competição lançada nesta terça-feira pelo Banco Mundial, em Washington DC, capital americana.

 

Durante quatro dias um júri formado por especialistas e profissionais internacionais vai debater os 100 projetos finalistas vindos de várias partes do mundo.

Inovação

O objetivo é selecionar entre 20 e 25 propostas inovadoras referentes às mudanças climáticas.

Mais de 1,7 mil inscritos participaram da primeira fase de seleção. Os escolhidos para a última etapa vem de 47 países, incluindo projetos da América Latina e do Caribe, como o trabalho de gestão de risco de desastres apresentado por uma comunidade da cidade de Cochabamba, na Bolívia.

Os finalistas deste ano foram selecionados com base em três tópicos: resistência dos povos indígenas, gerenciamento de riscos com múltiplos benefícios e adaptação climática.

Entre os projetos estão propostas de grupos indígenas, que somam 250 milhões de pessoas no mundo e estão entre os habitantes mais ambientalmente ameaçados do planeta.

Vencedores

A competição faz parte do 'Mercado de Desenvolvimento', programa de recursos administrado pelo Banco Mundial.

Os escolhidos irão receber até US$ 200 mil, cerca de R$ 345 mil, para transformar as ideias em ação num período de dois anos. Os vencedores serão anunciados na próxima sexta-feira, dia 10.

publicado por ecotv às 10:48

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 4 de Novembro de 2009

Música de John Lennon dá uma chance a paz

 

Real Baixar Imprimir Compartilhar

Canção de ex-integrante dos Beatles vai ajudar a angariar fundos para órgão das Nações Unidas; versão digital comemora os 40 anos de uma das gravações mais famosas do artista britânico.

Fundos para ONU

Fundos para ONU

Carlos Araújo, da Rádio ONU em Nova York*.

 

Fundos angariados pela venda na internet, até o fim do ano, da célebre canção de John Lennon, "Dê uma Chance à Paz", serão revertidos em benefício da Comissão de Consolidação da Paz das Nações Unidas

O anúncio foi feito nesta terça-feira na sede da ONU, em Nova York, pelo presidente do órgão, o embaixador do Chile, Heraldo Munoz.

Versão

Uma versão digitalizada da canção, lançada para comemorar o 40º aniversário da gravação original do músico do grupo "The Beatles", poderá ser baixada no programa Itunes.

Durante conferência de imprensa, Munoz pediu a outros filantropistas para seguirem o exemplo da viúva de Lennon, Yoko Ono, e ajudarem a mobilizar recursos para financiar as atividades da Comissão de Consolidação da Paz das Nações Unidas.

Ele revelou que o órgão já angariou cerca de US$ 315 milhões através de contribuições voluntárias.

Paz sustentável

A Comissão tem por objetivo ajudar países que emergem de conflitos a criarem uma paz sustentável para não voltarem a cair na guerra e no caos.

Desde a sua criação, em 2005, o órgão vem trabalhando essencialmente com quatro países africanos: Guiné-Bissau, Serra Leoa, República Centro-Africana e Burundi. Ela financiou também projetos em 14 outras nações, incluindo o Haiti, Nepal e a Côte d'Ivoire.

*Apresentação: Daniela Traldi, da Rádio ONU, em Nova York.

publicado por ecotv às 12:44

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 3 de Novembro de 2009

Países devem prestar contas sobre mudança climática

 

Real Baixar Imprimir Compartilhar

Rodada de debates na Espanha segue até sexta-feira como preparação para a Conferência da ONU sobre o tema, que acontece na Dinamarca, entre os dias 7 e 18 de dezembro.

Yvo de Boer

Yvo de Boer

Pollyana de Moraes, da Rádio ONU em Nova York.

A última rodada de negociações antes da Conferência da ONU sobre Mudança Climática começou nesta segunda-feira, em Barcelona, na Espanha.

Mais de 4 mil representantes de 181 países participam do encontro. O objetivo é alertar sobre a urgência da assinatura de um novo acordo sobre o clima, já que o Protocolo de Kyoto expira em 2012.

Aquecimento Global

A Convenção das Nações Unidas sobre Mudança Climática, que organiza os debates, afirma que, para se evitar o avanço do aquecimento global, é preciso reduzir em pelo menos 50% as emissões de carbono do mundo nos próximos 40 anos.

De acordo com o secretário-executivo do órgão, Yvo de Boer, todos os países devem prestar contas sobre o que estão fazendo para deter as consequências da mudança climática em seus territórios.

Na abertura do encontro, De Boer afirmou que as nações mais ricas devem assumir o compromisso de reduzir as emissões de carbono em médio prazo e que as economias emergentes também devem limitar o avanço do problema com o apoio dos países desenvolvidos.

Ele defendeu ainda a criação de uma governança global capaz de gerenciar os recursos necessários para adequação às expectativas ambientais, levando em conta as diferenças econômicas e sociais dos países.

Negociações Prévias

A rodada de Barcelona segue até sexta-feira como preparação para a Conferência da ONU, que acontece em Copenhague, na Dinamarca, entre os dias 7 e 18 de dezembro.

Ao longo de todo o ano, cidades como Bangkok e Nova York sediaram negociações prévias para discutir as expectativas globais sobre o novo pacto climático que deve ser assinado durante a Conferência.

publicado por ecotv às 10:47

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 26 de Outubro de 2009

Pnuma: US$ 500 bilhões para economia verde

 

Real BaixarImprimirCompartilhar

Relatório ressalta investimentos necessários para o meio-ambiente nos países em desenvolvimento; agência da ONU aponta medidas financeiras e caminhos para reduzir emissão de carbono.

 

 

Novo relatório do Pnuma

Novo relatório do Pnuma

Daniela Traldi, da Rádio ONU, em Nova York.


 

Investimentos de US$ 500 bilhões por ano, mais de R$ 800 bilhões, serão necessários para ajudar países em desenvolvimento a se adaptarem às mudanças climáticas e à produção de baixa emissão de carbono.

Essa é a conclusão de um relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio-Ambiente, Pnuma, divulgado em parceria com investidores e companhias de seguro, nesta segunda-feira, na Cidade do Cabo, África do Sul.

Recomendações

O estudo aponta uma série de recomendações para os países em desenvolvimento vencerem atuais obstáculos econômicos e atingirem o patamar de economias 'verdes'.

Entre os tópicos estão políticas públicas diferenciadas, como a criação de um seguro para países que repudiem medidas de proteção ao meio-ambiente, o financiamento público de um fundo monetário que ofereça proteção às economias locais e o aumento dos acordos relacionados a baixa emissão de carbono.

O relatório sugere ainda que os setores público e privado devem desempenhar papel complementar para superar os desafios da mudança climática.

Pnuma

O Diretor do Pnuma Achim Steiner disse que 'o combate à mudança climática é uma oportunidade importante para direcionar economias para um caminho de baixa emissão e recursos eficientes'.

Segundo ele, se as medidas forem bem sucedidas, países em desenvolvimento podem e devem ser parte das transformações.

Achim Steiner afirmou que o relatório ressalta as atuais barreiras para a readaptação econômica dos países, estabelecendo o caminho para uma nova relação Norte-Sul.

publicado por ecotv às 16:17

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 20 de Outubro de 2009

Buenos Aires abre congresso sobre desenvolvimento florestal

Real Baixar Imprimir


Preservação de florestas

Preservação de florestas

Pollyana de Moraes, da Rádio ONU em Nova York.*

 

A capital da Argentina, Buenos Aires, sedia até sexta-feira o Congresso Mundial Florestal, promovido pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, em parceria com 150 países, entre eles, o Brasil.

Em sua 23º edição, o encontro discutirá temas como bioenergia, combate à mudança climática e uso sustentável dos recursos florestais.

Manutenção do Clima

O tema do Congresso neste ano, "Desenvolvimento Florestal, Equilíbrio Vital" pretende chamar a atenção dos países para a importância das florestas na manutenção do clima e na vida no planeta.

Para o diretor da divisão de ordenação florestal da FAO, José Antonio Prado, as discussões são ainda mais relevantes. Ele lembra que em dois meses, será realizada a Conferência da ONU sobre Mudança Climática, em Copenhague, na Dinamarca.

O professor titular da Universidade de São Paulo, Leonardo Gonçalves, disse à Rádio ONU, de Buenos Aires, que uma das formas de se preservar a floresta é proteger as comunidades que dependem diretamente dela.

Amazônia e Mata Atlântica

"Uma das idéias para diminuir a devastação da floresta é valorizá-la junto aos serviços ambientais prestados pelos nativos e pelas comunidades que vivem na região", afirmou.

Leonardo Gonçalves, que é um dos representantes do Brasil no Congresso, destacou que serão discutidas no encontro alternativas sustentáveis para o aproveitamento dos recursos da Amazônia e da Mata Atlântica.

*Apresentação: Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

publicado por ecotv às 14:30

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 14 de Outubro de 2009

100 mil deixam norte do Iraque por falta de água

Real Baixar Imprimir

 

Relatório da Unesco revela que maioria dos aquedutos subterrâneos, conhecidos como "karez", secaram.

 

 

Tunel de "Karez" no Iraque

Tunel de "Karez" no Iraque

Pollyana de Moraes, da Rádio ONU em Nova York.*


 

Desde 2005, mais de 100 mil pessoas no norte do Iraque foram forçadas a abandonar suas casas, como consequência da escassez de abastecimento de água na região.

A informação faz parte de um estudo divulgado nesta quarta-feira pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco.

Secas

A Unesco estima que outras 36 mil pessoas no norte do Iraque estejam prestes a deixar a região, caso a situação não mude.

Segundo a pesquisa, as secas e o bombeamento excessivo de água diminuíram os níveis dos aquedutos subterrâneos, que os iraquianos chamam de "karez".

Esse sistema é responsável por oferecer água potável à população local e é conhecido por sua capacidade de manter o abastecimento mesmo durante temporadas sem chuva.

No entanto, o estudo da Unesco confirma que, com o início da seca, quatro anos atrás, 70% dos aquedutos ficaram sem água. O bombeamento do fluxo por máquinas modernas também foi responsável por esse declínio.

Políticas de Restauração

De acordo com a agência da ONU, apenas 116 dos 683 aquedutos da região continuam funcionando.

O estudo produzido pela agência é o primeiro do gênero no país. Ele será oferecido ao governo local como ferramenta para a aplicação de políticas de restauração do abastecimento de água.

*Apresentação: Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

publicado por ecotv às 18:41

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Pnuma defende papel do I...

. Banco Mundial lança '100...

. Música de John Lennon dá...

. Países devem prestar con...

. Pnuma: US$ 500 bilhões p...

. Buenos Aires abre congre...

. 100 mil deixam norte do ...

.arquivos

. Fevereiro 2013

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Aquecedor solar de garraf...

.as minhas fotos

blogs SAPO

.subscrever feeds