Quinta-feira, 18 de Junho de 2009

O que levar a Copenhagen? Por enquanto, muito pouco

Por Silvia Marcuzzo, para a Envolverde


Pela sua importância estratégica, o Brasil deveria chegar à Convenção com uma proposta ousada, segundo Pinguelli Rosa.

O Brasil, um dos países de maior importância estratégica do mundo para o enfrentamento do aquecimento global, não está fazendo o seu dever de casa para participar da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCC), que será realizada em dezembro próximo em Copenhage, na Dinamarca.

O painel “O agronegócio, as mudanças climáticas e o aquecimento global: o que propor para Copenhage” deu indicações de que falta engajamento do governo, principalmente em relação a políticas de ocupação do solo, tema que foi renegado, proibido, até pouco tempo atrás. Hoje, de acordo com o mediador, o ambientalista Roberto Smeraldi, diretor da organização Amigos da Terra - Amazônia Brasileira, o cenário evoluiu. Ele acredita que o momento é importante para aprofundar a questão, pois “na América do Sul, temos 240 milhões de hectares ocupados com pastagem e 60 milhões de hectares com agricultura”, revela.

O professor Luiz Pinguelli Rosa, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), coordenador geral do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, afirma que o Brasil deveria chegar em Copenhage com uma proposta ousada, em defesa do uso do etanol, com um plano de mudanças climáticas com metas de redução do desmatamento, e apresentar uma alta porcentagem para o uso de energias renováveis em sua matriz energética.

Rosa reforça sua citação utilizando dados do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC): o crescimento de gases de efeito estufa (GEE) aumentou 70% de 1970 para 2004. De 1970 para 2005, a geração de energia elétrica aumentou 145%, o transporte 120%, a indústria 65% e a mudança uso da terra 40%.

Já Marcos Jank, presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Única), entidade que agrega as produtoras de 60% da cana brasileira, acredita que o debate envolve, além do empresariado, organizações não-governamentais e governos. Para ele, o setor sucroenergético desempenha um papel fundamental na mitigação das mudanças climáticas. Na oportunidade lembrou que o setor privado tem acompanhado as movimentações para o encontro de dezembro. Inclusive informou que o setor fará um grande evento na conferência.

Ele reconhece que boa parte da redução de emissões pode ser feita com eficiência energética. Argumenta que o Brasil pode servir de exemplo para o mundo, no que se refere a energias renováveis. “Aqui, 90% dos carros já são flex, é possível encontrar álcool em qualquer posto e 25% da gasolina já vem com etanol”. E mais: “Temos duas Itaipus adormecidas nos canaviais”, adverte o empresário.

“Estamos decidindo hoje a matriz de amanhã”, salienta Jank, reforçando que a sociedade precisa se mobilizar para não aceitar o petróleo e seus derivados de baixa qualidade como combustível ou para geração de energia. O empresário defende um mercado interno de carbono, com comércio entre setores. “Hoje o Brasil só aproveita 8% do seu MDL”, alerta. A China vende 35% dos seus créditos de carbono. Para ele, há muitos problemas com o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, que ele espera tratar em Copenhagen.

Com um discurso conservacionista, Jank defende o desmatamento zero e acha um contracenso, desmatar para plantar cana. É favorável ao zoneamento agroecológico e, pelas suas palavras, “deve ser definido o não plantio de cana no Pantanal”. Ainda defende um maior diálogo entre as partes para resolver as questões do Código Florestal e acredita ser fundamental a normativa do Ibama para térmicas a carvão e petróleo para compensação do carbono emitido. (Envovlerde)


(Agência Envolverde)

publicado por ecotv às 17:07

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

.Twitter ECOTV

http://twitter.com/ECOTV

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. Antártica: avanço da vege...

. País produz 1o. modelo de...

. Capivari de Baixo, mobili...

. Tubarão subscreve ação co...

. Movimento pela vida, não ...

. A voz dos jovens

. A BP usou dispersante tóx...

. Instituto ambiental fede...

. Sea Shepherd questiona d...

. Belo Monte: Pandora é aq...

.arquivos

. Fevereiro 2013

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Aquecedor solar de garraf...

.as minhas fotos

.Twitter ECOTV

http://twitter.com/ECOTV
blogs SAPO

.subscrever feeds